Ocupa Ponte Torta traz um panorama da música autoral independente

O Ocupa Ponte Torta vem se consolidando com um espaço onde os artistas da cena autoral e independente podem apresentar seus trabalhos.

Na edição deste domingo (27), as bandas Metamorffose, Corehum, DVG (Death by Visitation of God) e Genoma, além do DJ Leandro Siure, o Green Selector e a cantora e compositora paraense Versos Polaris puderam mostrar seus trabalhos. 

A cantora e compositora jundiaiense Bruna Ryan teve um pequeno acidente ao chegar para tocar (rompeu os ligamentos do tornozelo) e não pôde se apresentar — já tem seu lugar na próxima edição de Setembro, segundo os organizadores.

Foi a primeira edição com a nova iluminação da Praça Erazê Martinho, a praça da Ponte Torta, em funcionamento. Um trabalho que valoriza o monumento restaurado e trouxe mais segurança para o local, com novas luminárias e uma rede elétrica segura para a conexão dos equipamentos.

A praça, na verdade, ainda está em obras, mas foi liberada pela Prefeitura para a realização do Ocupa Ponte Torta, um movimento que começou em dezembro de 2015 e todos últimos domingos do mês tem uma nova edição, sempre com autores independentes.

E mais uma vez um público interessado em ver o que está acontecendo de novo na música local compareceu aproveitando a tarde e noite de temperatura agradável.

A abertura foi da banda Metamorffose, que há muitos anos está na estrada com seu rock pop na estrada. Veio em seguida o metal da rapaziada do Corehum (foto de abertura), jovens no início da caminhada musical. Veio então a Death by Visitation of God e seu som industrial. 

Bruna Ryan ficou de fora em razão do acidente e Versos Polaris mandou um set muito interessante. Sozinha no violão trouxe de Belém do Pará as canções de sua turnê paulista. Pra fechar a banda Genoma trouxe seu rock e o DJ Green Selector completou mais uma edição do Ocupa Ponte Torta.

Próxima edição acontece no último domingo de setembro.